Quinta-Feira, 28 de Maio de 2020

CONTACTOS

STEC
NOTÍCIAS DE IMPRENSA
COVID-19. MINISTRO DAS FINANÇAS ESTIMA DESEMPREGO “LIGEIRAMENTE ABAIXO” DE 10%
2020-05-07
EXPRESSO
07.05.2020 às 23h42
Lusa
 

Em abril, havia mais 75 mil pessoas registadas nos centros de emprego face ao mesmo mês, em 2019

O ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, estimou na quinta-feira, em entrevista à RTP, que a taxa de desemprego em Portugal fique "ligeiramente abaixo" dos 10% em 2020, como consequência da pandemia de covid-19.
 
"Pensamos que a taxa de desemprego até final de 2020 possa vir a crescer três ou quatro pontos percentuais", disse Mário Centeno que, quando questionado sobre se ficaria abaixo dos 10%, confirmou que "poderá ser ligeiramente abaixo desse número".
 
A taxa de desemprego em Portugal em 2019 foi de 6,5%.
 
"Nós temos já números de desemprego que mostram um aumento significativo", afirmou o também presidente do Eurogrupo, que quantificou em 75 mil o aumento do número de registados nos centros de emprego em abril deste ano relativamente ao mesmo mês de 2019.
 
Mário Centeno referiu ainda que Portugal poderá ter acesso a mais de 1.000 milhões de euros do programa europeu de apoio a soluções laborais como o 'lay-off' (suspensão temporária do mercado de trabalho), denominado SURE, a partir de junho.
 
"O que esse programa irá fazer é substituir financiamento o que Portugal iria obter no mercado, a umas determinadas taxas e com determinadas condições, e vai, portanto, aliviar-nos a pressão de financiamento", referiu o governante.
 
O responsável máximo da pasta das Finanças declarou que atualmente o país está "numa fase de transição do programa de 'lay-off'", por ter deixado "a fase mais dramática" da pandemia de covid-19, e que as medidas do programa europeu incluem também "o apoio das famílias para o acompanhamento dos filhos por fecho das escolas e um conjunto de outras medidas".
 
No âmbito da resposta europeia, o ministro chamou ainda a atenção para o programa do Banco Europeu de Investimento (BEI) na ótica do financiamento às empresas, "com linhas de crédito para investimento, para capital de risco", que "o sistema bancário e as empresas em Portugal devem aproveitar" a partir do final deste mês.
 
Referindo-se ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Centeno reiterou que é "uma rede de segurança, como se fosse um seguro, que está disponível para todos os países da União Europeia em caso de dificuldade de acesso ao mercado".
 
"Eu diria que neste momento, nas condições que antecipamos na economia portuguesa, Portugal não tem nenhum sinal de que essas dificuldades se possam colocar, mas é como quando nós fazemos um seguro, proteger o nosso futuro", acrescentou o ministro.
 
Há cerca de um mês, numa 'maratona' negocial do Eurogrupo que decorreu por três dias e alargada aos países que não fazem parte do espaço da moeda única, os responsáveis pelas Finanças comunitárias chegaram a acordo sobre um "pacote de dimensões sem precedentes" para fazer face à crise provocada pela pandemia da covid-19, que inclui "redes de segurança" para trabalhadores, empresas e Estados-membros e ascende a 540 mil milhões de euros.
 
As três "redes de segurança" acordadas na altura pelo Eurogrupo centraram-se numa linha de crédito do MEE, através da qual os Estados-membros podem requerer até 2% do respetivo produto interno bruto para despesas direta ou indiretamente relacionadas com cuidados de saúde, tratamentos e prevenção da covid-19, num fundo de garantia pan-europeu do Banco Europeu de Investimento para empresas em dificuldades, e no programa 'SURE' para salvaguardar postos de trabalho através de esquemas de desemprego temporário.
 
O Eurogrupo acordou, ainda, a criação de um fundo de recuperação após a crise gerada pela covid-19, mas pediu aos líderes europeus para decidirem o financiamento mais apropriado.
 
 
TopoIr para lista

05_07_expresso
 
Mário Centeno já disse que o défice não é a prioridade e abriu a porta a um Retificativo se necessário.
 
Fotografia: Piroschka van de Wouw/ REUTERS