Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018

CONTACTOS

STEC
NOTÍCIAS DE IMPRENSA
CGD: SINDICATO DIZ QUE FOI «A MAIOR GREVE DE SEMPRE»
2012-11-03
AGÊNCIA FINANCEIRA

Por Redacção
2012-11-02 17:01

O presidente do sindicato dos trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) diz que a greve desta sexta-feira contra o corte de vencimentos e a privatização do banco público é «a maior de sempre no grupo».
 

Segundo o responsável, que se encontrava entre as cerca de 500 pessoas (segundo a organizacão) que se concentraram frente à sede da CGD, em Lisboa, a meio da manhã «eram mais de 200» os balcões da CGD fechados em todo o país, para além de outros 200 que funcionaram «à porta fechada», de um total de 800 em todo o país.
 

No entanto, adiantou, citado pela Lusa, o fecho de balcões deverá ter aumentado à tarde: «A greve não se sente tanto em Lisboa, onde há muitos precários, contratados a prazo, mas no país profundo», afirmou João Lopes, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores e das Empresas do Grupo Caixa (STEC).
 

Os trabalhadores da CGD estão esta sexta-feira em greve contra cortes nos vencimentos. Os trabalhadores da Caixa criticam em especial a administração do banco público, liderada por José de Matos, de não pagar os subsídios de férias e de Natal este ano, considerando que o corte das remunerações dos funcionários serve para «financiar a empresa». Outro das razões do protesto prende-se com a eventual privatização da CGD, depois das notícias surgidas que dão conta do interesse do Governo numa alienação (ainda que parcial) do banco público a privados.
 

Marília Ventura, de 58 anos, veio de propósito de Aveiro para mostrar, em Lisboa, o seu descontentamento enquanto trabalhadora à administração, a quem acusa de viver com «mordomias» e de não ter vencimentos cortados porque, segundo a lei, operam em concorrência. «O Governo não corta nos que estão em cima, mas nos pequeninos», critica.
 

O balcão da CGD onde Marília trabalha, na loja do cidadão de Aveiro, abriu de manhã com dois funcionários, mas fechou à tarde.
 

Ja a agência de José Luis Lima, no centro de Braga, fechou hoje todo o dia. O trabalhador tambem critica os cortes que vencimentos que têm sofrido os trabalhadores do banco e o congelamento de promoções quando, refere, nem vão para abater no Orcamento do Estado, ficando na instituicão.

 
Veja o vídeo da reportagem (TVI) 

TopoIr para lista