Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018

CONTACTOS

STEC
NOTÍCIAS DE IMPRENSA
RELATÓRIO DA OIT É UM «CARTÃO VERMELHO» AO GOVERNO
2013-11-04
TSF

A CGTP e a UGT consideram que o relatório da Organização Internacional do Trabalho é uma censura à estratégia de austeridade seguida pelo Governo.

Os líderes da CGTP e da UGT dizem que o Governo tem olhar para o documento como um chumbo da estratégia de austeridade cega.

No relatório "Enfrentar a crise do emprego em Portugal", da Organização Internacional do Trabalho (OIT), publicado nesta segunda-feira, é defendido que o Governo deve ponderar aumentar o salário mínimo, e diz que com a ajuda da Europa, o país pode criar 100 mil empregos até 2015.

Para Arménio Carlos, secretário geral da CGTP, estas recomendações resultam no essencial numa censura ao que tem sido a estratégia do Governo português.

«O que o relatório afirma é que a paragem da austeridade é determinante para dinamizar a economia. Eu creio que é um cartão bem vermelho da OIT às políticas que o Governo tem feito e também uma demonstração de que está atenta e sensível às propostas que outros apresentam, como a CGTP, para a resolução dos problemas nacionais», afirma Arménio Carlos.

No mesmo sentido vai o comentário do secretário geral da UGT. Carlos Silva diz que o documento «vem claramente contrariar todas aspolíticas de ultra austeridade que o Governo português tem implementado, tenham ou não a benção do Fundo Monetário Internacional, do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia. É a prova cabal de uma organização internacional (...) que vem dizer este não é o caminho correto para o crescimento económico, para a criação de emprego e para a instauração da confiança nos agentes económicos portugueses».


Também contactado pela TSF, António Saraiva, presidente da CIP, diz que as metas apontadas pela OIT, nomeadamente da criação de cem mil postos de trabalho até são concretizáveis. No entanto, sublinha, para isso é preciso que existam melhores condições no crédito que é pedido.

O relatório da OIT vai ser apresentado logo à tarde, em Lisboa. Depois das notícias das 15:00 pode ouvir a entrevista que TSF fez ao secretário geral da OIT a propósito deste documento.

 

TopoIr para lista