Terca-Feira, 22 de Agosto de 2017

CONTACTOS

STEC
NOTÍCIAS DE IMPRENSA
“ESTE NOVO QUADRO POLÍTICO TORNA-SE MAIS EXIGENTE E DESAFIANTE PARA A CGTP”
2016-02-29
PÚBLICO

26/02/2016 - 09:25
 

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, diz que o principal desafio é contrariar a ideia de que, com a mudança de Governo, não é necessário que os trabalhadores se movimentem, para exigirem resposta aos seus problemas.

 

Quais os desafios que se colocam à CGTP neste novo quadro político?
O primeiro desafio é conseguir resultados para os trabalhadores que passam, desde logo, por reverter algumas das medidas aplicadas pelo anterior Governo. Outras áreas fundamentais são a dinamização da contratação colectiva; a ruptura com o modelo de baixos salários e de trabalho precário; a revogação das normas gravosas do Código do Trabalho; a distribuição da riqueza e os serviços públicos e funções sociais do Estado.
 
 

Até que ponto o Governo do PS, apoiado pelo PCP e pelo BE, vos dá mais garantias?
As garantias decorrem das promessas feitas e do sentido de mudança que foi apresentado aos portugueses. Valorizamos a reposição dos feriados, a reversão das privatizações, a reposição de salários, a redução da sobretaxa do IRS. Além destas matérias, existem outras como a contratação colectiva ou a legislação laboral onde tem de se ir mais longe e em relação às quais a CGTP está, como sempre esteve, disponível para procurar soluções que respondam aos problemas dos trabalhadores e do desenvolvimento do país.

 

A CGTP vai manter-se como uma central reivindicativa ou deve aproximar-se mais de um modelo que negoceia e assina acordos?
Este novo quadro político torna-se mais exigente e desafiante para a CGTP. Quer no plano da apresentação de propostas, quer no plano do envolvimento dos trabalhadores para concretizar resultados. A CGTP, como qualquer sindicato, tem de ser reivindicativa. Se deixar de o ser, deixa de cumprir a sua função. Estamos é a ser reivindicativos num quadro político diferente, o que se torna desafiante porque pode instalar-se na sociedade a ideia de que, tendo havido mudança de Governo, não é necessário que os trabalhadores se movimentem e intervenham para exigirem resposta aos seus problemas. A mudança não se faz por acomodação ou inacção, mas pela participação. O facto de termos um Governo que tem este apoio na Assembleia da República, não pode condicionar a autonomia e a independência dos sindicatos. Estamos disponíveis para negociar, mas com um apelo à mobilização dos trabalhadores. Tem de haver pressão e dinamismo para dar força à negociação, porque a negociação decorre da força e do apoio de bases que temos nas empresas e nos serviços.

 

Quando assumiu a liderança da central, em 2012, substituiu uma pessoa que esteve muitos anos à frente da CGTP (Carvalho da Silva) e apanhou o período da troika. Agora, inicia o segundo mandato num contexto totalmente diferente. Que balanço faz do seu percurso?
Se o último mandato foi muito exigente do ponto de vista da resposta à defesa da dignidade dos portugueses e dos interesses nacionais, este novo mandato vai ser aliciante, mas simultaneamente desafiante. Vai exigir de nós – num quadro em que a priori existe um espaço de maior abertura para o diálogo e para a negociação – uma intervenção permanente que tem que ser centrada em duas ideias: o envolvimento dos trabalhadores e, no plano negocial, ir tão longe quanto possível nas várias sedes onde os problemas são tratados. Valorizamos todos os espaços de negociação. O espaço primeiro de negociação com as empresas e com as associações patronais; e o espaço da Assembleia da República, que tem de ser potenciado para encontrarmos soluções que tragam resultados. E, depois, o espaço de negociação bilateral com o Governo e com as confederações patronais e a concertação social. Provavelmente ao longo dos próximos quatro anos poderá haver focos de confronto.

 

A CGTP é vista como o braço do PCP nos locais de trabalho. Nas últimas legislativas, o partido perdeu votos e deputados, essa posição de reivindicação da CGTP é uma forma de manter a influência do partido na sociedade portuguesa?  
O PCP tem a sua influência no movimento sindical em resultado de uma intervenção que há muitas décadas desenvolve no contacto com os trabalhadores. Mas isso não implica que a CGTP, que é uma central unitária, esteja condicionada por qualquer estratégia político-partidária, seja ela qual for. O PCP é o PCP e a CGTP é a CGTP. Coincidimos em muitas matérias, como coincidimos com o Bloco, divergimos noutros. A CGTP não pode mudar o seu posicionamento do ponto de vista das propostas ou das reivindicações de acordo com a mudança de governo. O que pode, e deve, em relação a cada quadro político que se nos apresenta e à abertura que é dada ou não para a resolução dos problemas, é assumir as suas posições e, em último caso, avançar para o confronto. Não há aqui nenhuma subordinação seja de que tipo for.


 

TopoIr para lista

armenio_carlos.jpg
Arménio Carlos, assumiu a liderança da CGTP em 2012 e vai continuar à frente da central por mais quatro anos. Nuno Ferreira Santos