Terca-Feira, 22 de Agosto de 2017

CONTACTOS

STEC
NOTÍCIAS DE IMPRENSA
A CGD, O PAÍS, AS POPULAÇÕES, O SISTEMA FINANCEIRO
2017-04-02
ABRIL ABRIL

DOMINGO, 02 DE ABRIL DE 2017

OPINIÃO
João Lopes



O plano de reestruturação da CGD, definido por Bruxelas aquando da autorização para a sua recapitalização, termina em 2020. Nessa altura qual será a realidade da CGD? Será ainda o maior Banco do sistema bancário em Portugal?

ac_lusa__abrilabril_mar2017Créditos/ Agência Lusa


A CGD anda, há praticamente um ano, nas «bocas do mundo» e revela-se como o grande alfobre da especulação jornalística e o alvo preferido dos «fazedores de opinião». Toda a gente parece fazer questão de debitar opiniões, desde as mais avisadas às mais delirantes, sobre a CGD.

O que poderá justificar este tão súbito e obsessivo interesse pela CGD? Lamentavelmente, apenas e só as movimentações políticas e os jogos de poder, internos e externos.

A nível interno, a importância que a CGD reveste para os interesses do país, a profunda ligação que tem às populações, o papel insubstituível de moderação que desempenha no sistema financeiro, a acção determinante e na altura amplamente reconhecida que foi obrigada a assumir, na insolvência do BPN, … mas isso são tudo aspectos que os seus detractores não valorizam, obcecados que estão com o seu descrédito, como Banco público.

Quanto às influências e movimentações políticas externas. É cada vez mais evidente que o interesse da UE, seja da Comissão Europeia ou das suas várias instituições (Banco Central Europeu e Direção de Concorrência) é assumidamente contrário à existência no sistema financeiro português, da CGD, como Banco de capital público, que é também o maior do país e a referência das populações.

E porquê? Em primeiro lugar, porque para a ideologia dominante em Bruxelas, a responsabilidade pela atividade financeira em Portugal, deve ser entregue aos Bancos privados. Depois, porque é há muito indisfarçável a sua animosidade contra a CGD, não só por ser um Banco público mas porque detém o papel de líder de quota de mercado.

As condições determinadas por Bruxelas para a autorização da recapitalização da CGD, aí estão a testemunhá-lo. Com uma mão, dão autorização e aceitam que essa recapitalização não seja vista como ajuda do Estado, para depois, com a outra mão, exigirem condições de reestruturação que passam pelo encerramento de 180 Balcões e pela redução de mais de 2000 postos de trabalho em território nacional. Para além disto e daquilo que se sabe, Bruxelas exige ainda a saída da CGD, de França, Espanha, Luxemburgo, Grã-Bretanha, Venezuela, Estados Unidos, Brasil e África do Sul.

«Os trabalhadores da CGD vão ser naturalmente as primeiras vítimas deste plano de reestruturação e aqueles que mais cedo o vão perceber, denunciar e combater.»

Face a tudo isto e como diz a sabedoria popular, «não se morre da doença, mas morre-se da cura».

Que CGD teremos em 2020, depois da aplicação destas medidas? Poderemos ter um Banco com o nome CGD, mas que será por certo uma «caricatura» daquela Instituição de referência que sempre conhecemos. Esse banco, a CGD, terá então dimensão para intervir e moralizar o sistema bancário? Esse banco, já não será orgulhosamente conhecido pelas populações, como a «Caixa», mas deverá ser, muito provável e envergonhadamente, definido como... a «caixinha»!

Porque Bruxelas, já decidiu que o sistema financeiro português irá ser entregue a mãos estrangeiras. Olhando para as manobras que ontem «conduziram» o Banif para o seio do Santander, e para as que acabam de «depositar» o BPI no regaço do La Caixa, percebe-se claramente que é por Espanha que passa a opção de Bruxelas.

Ora, o plano de reestruturação da CGD, definido por Bruxelas aquando da autorização para a sua recapitalização, termina em 2020 e nessa altura qual será a realidade da CGD? Será ainda o maior Banco do sistema bancário em Portugal? Quantas Agências terá? Qual a sua dimensão em termos de postos de trabalho? Terá crescido ou diminuído em número de clientes? A sua ligação às populações será a mesma? Poderá funcionar ainda como o mealheiro dos portugueses? Pensamos que não!

Por conseguinte, a CGD, para as populações «a Caixa», a maior instituição bancária nacional, o Banco do Estado, poderá continuar a existir como Banco público, mas com uma reduzida dimensão, com uma diminuta quota de mercado e já sem quaisquer condições de poder ser um instrumento forte do Estado, no apoio à economia nacional, de ter uma presença junto da população em Portugal e junto das comunidades portuguesas no estrangeiro, que lhe permita continuar a ser o grande depositário das poupanças dos portugueses.

E já nem falamos das consequências sociais, de se forçarem prematuramente à inactividade mais de 2000 trabalhadores e do que vai acontecer às populações que deixarem de poder dispor da CGD para garantir a segurança das suas poupanças.

Para que servirá então um Banco assim? Qual vai ser o seu futuro? Deixamos estas interrogações.

Neste cenário, não nos iludam com retóricas fantasiosas de que esta reestruturação é benéfica para a CGD e que é por esta via que o Banco público se vai regenerar, fortalecer e ter melhores condições para apoiar o crescimento da economia nacional. Não nos vendam ilusões. Falem verdade.

Os trabalhadores da CGD vão ser naturalmente as primeiras vítimas deste plano de reestruturação e aqueles que mais cedo o vão perceber, denunciar e combater.

Ora, neste sentido, estamos certos que a cultura de ligação à Empresa e o forte sentido coletivo que sempre os distinguiu, serão mais uma vez os valores determinantes para o saberem assumir.

TopoIr para lista

joao_lopes

João Lopes