stec_logo
Segunda-feira, 29 de Novembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

07_31_jeconomico
CEO da CGD: “Sabemos que o nosso resultado dos testes de stress é claramente satisfatório”
JORNAL ECONÓMICO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Jornal Económico com Lusa
31 Julho 2021, 10:43
 
 

“Sabemos que o nosso resultado em termos absolutos é claramente satisfatório”, adiantou, na conferência de imprensa de apresentação de resultados do banco, o presidente da Comissão Executiva da CGD, Paulo Macedo.
 

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) teve um resultado positivo nos testes de ‘stress’ da Autoridade Bancária Europeia (EBA), com uma perda máxima de 300 pontos base, inferior à média das restantes instituições, foi hoje anunciado.
 
“Sabemos que o nosso resultado em termos absolutos é claramente satisfatório”, adiantou, na conferência de imprensa de apresentação de resultados do banco, o presidente da Comissão Executiva da CGD, Paulo Macedo.
 

Conforme precisou este responsável, em todas as variáveis de ‘stress’, a CGD perdia 300 pontos base de capital, quando a média de perda das outras instituições financeiras que participaram foi de 497 pontos.

Paulo Macedo notou ainda que a perda de capital foi menor do que a registada no anterior teste.
 
“A Caixa tem uma menor destruição de capital do que os outros bancos. Em termos da sua gestão mais prudente, é aqui mais uma vez assinalada e premiada”, concluiu.
 
A EBA apresentou hoje os resultados dos testes de ‘stress’ aos principais bancos da zona euro que no ano passado não se realizaram devido à pandemia.
 
O exame deste ano submeteu as entidades bancárias a um cenário especialmente adverso a fim de poder avaliar a sua capacidade de resistir a um hipotético cenário de recessão prolongada.
 
A EBA, com sede em Paris, dirige todo este processo em conjunto com o Banco Central Europeu (BCE) e as autoridades nacionais de supervisão.
 
Quando começou a crise sanitária na Europa, em março de 2020, a EBA anunciou que adiava por um ano os testes de ‘stress’, uma vez que a prioridade dos bancos nesse momento era enfrentar a crise.
 

A CGD e o Banco Comercial Português (BCP) participam nos testes de ‘stress’ da Autoridade Bancária Europeia (EBA).