stec_logo
Terça-feira, 30 de Novembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

04_30_jeconomico
CGD vai propor distribuição de 83,6 milhões de euros em dividendos ao Estado
JORNAL ECONÓMICO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Jornal Económico com Lusa
30 Abril 2021, 19:50

 
 
Já hoje foi divulgado o relatório e contas da CGD de 2020 e a proposta final do Conselho de Administração do banco público para o valor a distribuir em dividendos, que é de 83.638.807 euros.
 
A Caixa Geral de Depósitos vai propor, na assembleia geral de maio, a distribuição de 83,6 milhões de euros ao Estado em dividendos, segundo o relatório e contas hoje divulgado.
 
Em fevereiro, em conferência de imprensa, o administrador financeiro do banco, José Brito, já tinha dito que seria proposto um dividendo de 85 milhões de euros relativos aos resultados de 2020.
 
Já hoje foi divulgado o relatório e contas da CGD de 2020 e a proposta final do Conselho de Administração do banco público para o valor a distribuir em dividendos, que é de 83.638.807 euros.
 
“O Conselho de Administração da CGD entendeu propor à Assembleia Geral a distribuição de dividendos relativos ao ano de 2020 que correspondem a 0,20% do rácio de CET 1 (Core Equity Tier 1), visto ser esta a restrição ativa decorrente da supra citada recomendação [do BCE]”, lê-se no documento.
 
No dia 15 de dezembro de 2020, o BCE anunciou que os bancos da zona euro podem voltar a pagar dividendos, mas com sujeição a limites, de forma a proteger o seu capital. A distribuição de dividendos não deverá exceder os 15% dos lucros acumulados de 2019 e 2020 ou 20 pontos base do rácio de capital CET1.
 
Além dos dividendos, será proposto que passem para reserva legal cerca de 81,3 milhões de euros e 241,6 milhões de euros para a rubrica do balanço ‘outras reservas e resultados transitados’.
 
A CGD registou lucros de 492 milhões de euros em 2020, menos 37% que os 776 milhões de euros registados em 2019, divulgou hoje o banco público.
 
A assembleia geral da CGD deverá realizar-se em maio, mas ainda não tem data marcada. O Estado detém o banco na totalidade.
 
A CGD está em fase de mudanças na administração, tendo de ser eleita a nova administração para o mandato 2021-2024. Paulo Macedo deverá manter-se como presidente executivo, segundo disse o ministro das Finanças, João Leão, em entrevista em fevereiro ao Jornal de Negócios/Antena 1.
 

Já o novo presidente não executivo (‘chairman’) deverá ser António Farinha de Morais, ex-administrador do BPI, de acordo com o Jornal Económico.