stec_logo
Terça-feira, 30 de Novembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

11_10_jnegocios
Brasileira SPX vai construir 72 casas de luxo no “buraco” algarvio da CGD
JORNAL DE NEGÓCIOS
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Rui Neves

10 de Novembro de 2020 às 14:12

 

A gestora de fundos, que comprou o The Keys por 95,4 milhões de euros onde o banco público enterrou 307 milhões, vai agora desenvolver o projeto turístico-residencial inserido na Quinta do Lago, numa área de cerca de 45 mil metros quadrados.

 

“A SPX – International Asset Management adquiriu o The Keys, projeto residencial inserido na Quinta do Lago, por um valor superior a 95 milhões de euros”, anunciou, esta terça-feira, 10 de novembro, a consultora imobiliária JLL, em comunicado, confirmando a informação avançada pelo Negócios na passada sexta-feira.

 

“Integrando-se neste prestigiado complexo turístico-residencial em Almancil, no Algarve, o The Keys será agora desenvolvido pelo novo proprietário, contando com um total de 72 unidades residenciais numa área residencial acima do solo de 45 mil metros quadrados”, revela a JLL, que assessorou a SPX nesta operação.

 

Foi a 3 de novembro, encerrado o prazo para a apresentação de propostas para a aquisição do The Keys, que o administrador de insolvência da Birchview registou e adjudicou a operação à única rececionada – a SRESPX, uma sociedade detida pela brasileira SPX Capital, que ofereceu 10 euros acima do preço mínimo de 95,41 milhões de euros.

 

A SRESPX sinalizou o negócio com o pagamento de 5% do valor total, ou seja, 4,77 milhões de euros, que foram já depositados na conta da massa insolvente da Birchview.

 

A SPX, sigla que significa simplesmente Schneider, Pandolfi e Xavier, apelidos dos seus fundadores, é hoje uma das maiores gestoras de fundos independente do Brasil, com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Londres, Nova Iorque e Washington, tendo sob gestão ativos no valor de 40 mil milhões de reais (seis mil milhões de euros).

 

Rogério Xavier, maior acionista e líder da SPX Capital, é um dos mais respeitados gurus do mercado financeiro brasileiro.

 

A SPX – International Asset Management, que integra a SPX Capital, comprou o The Keys em sede de liquidação da falida Birchview, onde a Caixa Geral de Depósitos (CGD) enterrou 307 milhões de euros, com esta insolvente a fixar-se no topo dos créditos problemáticos do banco público.

 

Num outro comunicado, divulgado pela Cushman & Wakefield, que atuou na venda do empreendimento em representação da massa insolvente da Birchview, garante-se que o projeto conta com cerca de 32.600 metros quadrados de construção acima do solo, distribuídos por 48 “vilas” e 24 apartamentos, num terreno com 88 mil metros quadrados.

 

O negócio com a Birchview começou torto para o banco público logo em 2007, quando a CGD era liderada por Carlos Santos Ferreira e com Armando Vara como administrador.

 

Nessa altura, a Direção-Geral de Risco (DGR) da CGD emitiu um parecer no pressuposto de que o banco iria financiar apenas 50% do projeto, o que não viria a acontecer, pois acabou por o fazer a 100%. Uma mudança de planos que não passou pela DGR, não tendo sido apresentada qualquer justificação para a falta deste parecer, segundo concluiu uma auditoria da EY.

 

“A SPX – International Asset Management foi apoiada neste negócio pela consultora JLL, que realizou processos de ‘due dilligence’ comercial e técnica, definiu o novo produto a desenvolver e apoiou a elaboração das estratégias de preço e de comercialização dos fogos”, revela a consultora imobiliária, adiantando que a assessoria jurídica da SPX foi realizada pela equipa liderada por João Torroaes Valente da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados.

 

“Trata-se de um projeto numa localização ímpar e com um enorme potencial de valorização, que reflete bem as oportunidades que o mercado português oferece a investidores com um perfil de ‘value add’, ou seja, ‘players’ que têm uma perspetiva de longo prazo e que estão dispostos a investir nos ativos para lhes adicionar valor. Numa altura em que continua a existir bastante liquidez a nível global, este tipo de investimento é muito importante para o mercado português”, considera Gonçalo Santos, head of development da JLL.

 

“Concluiu-se, num prazo relativamente curto, uma transação muito relevante para o Algarve e para o nosso país. Num ano muitíssimo atípico, este será, certamente, um dos maiores negócios imobiliários em Portugal, confirmando a importância do Algarve como principal destino turístico da Europa e a Quinta do Lago como localização excecional e de referência para investimento em projetos diferenciadores e de qualidade”, afiança, por sua vez, Ana Gomes, partner e diretora de promoção e reabilitação urbana da Cushman & Wakefield.

 

Esta consultora imobiliária refere que “estruturou o processo de venda e coordenou a realização das ‘due diligences’ legal e técnica especificamente preparadas para suporte ao processo de comercialização” do The Keys, no âmbito da liquidação da Birchview.