stec_logo
Terça-feira, 25 de Junho, 2024

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

03_03_sapo
CGD admite vir a fazer aquisições, sejam grandes ou pequenas
SAPO

2 mar 2023

19:36

 

 

O presidente da CGD disse hoje que o banco público está focado em devolver capital ao Estado, mas também admitiu que possa vir a fazer aquisições, sejam grandes ou pequenas.

 

Na conferência de imprensa dos resultados de 2022 (lucros de 843 milhões de euros), Paulo Macedo foi questionado sobre eventuais fusões na banca em Portugal, sobretudo quando se fala de o Novo Banco vir a estar no mercado, o que deverá movimentar o setor.

 

Segundo Macedo, o foco da Caixa Geral de Depósitos (CGD) é manter a solidez e devolver ao Estado o capital que este injetou no banco. “É o que temos estado a fazer e gostaríamos de intensificar”, afirmou. Depois, disse, o banco analisa eventuais compras.

 

“Depois também podemos estar disponíveis para fazer aquisições, sejam elas grandes sou pequenas”, afirmou.

 

Em qualquer aquisição, acrescentou, tem de haver “a convicção de que o resultado é superior, de ganhos concretos” e “sentir que há vantagem para a Caixa, para o Estado”.

 

O gestor disse que o objetivo da CGD é “manter liderança, baixar substancialmente o risco, ser rentável e continuar a ter a dimensão de maior banco português”.

 

Questionado sobre se para isso tem de fazer uma operação com o Novo Banco, para a CGD se manter líder, Macedo disse que na CGD não há obsessão pela liderança, “mas tem valor ser líder”.

 

“Não faz sentido ser banco público e ter quota que não permita intervir na economia ou influenciar, a Caixa claramente influencia as comissões (ao ter mais baratas), os ‘spreads’ (ao ter mais baratos), etc. etc”, afirmou.

 

Em janeiro, em audição no parlamento, Paulo Macedo disse que, com a CGD reforçada, “não aconteceria um banco estrangeiro comprar o Banif e o Banco Popular por um euro”.

 

 

IM // EA
Lusa/Fim

03_17_cartoon_dia-do-pai