stec_logo
Sábado, 4 de Dezembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

11_09_expresso

Fotografia: Ricardo Lopes

CGD propõe aumento salarial de 0,2%, sindicatos consideram proposta “insultuosa”
EXPRESSO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

9 Novembro 2021 12:41
Isabel Vicente
 

 

O banco público reviu a sua proposta de aumento da tabela salarial de 0,15% para 0,2% mas para o sindicato dos trabalhadores do grupo e sindicatos afetos à UGT não chega.
 
A CGD – Caixa Geral de Depósitos e os sindicatos não se entendem quanto à revisão do acordo de empresa da CGD para atualização da tabela salarial e outras remunerações pecuniárias para 2021.

 

Quer o sindicato do grupo CGD quer os sindicatos afetos à UGT, estes últimos o Mais Sindicato e SBC, rejeitam “liminarmente” a proposta à semelhança do que já haviam feito relativamente a propostas semelhantes de outros bancos.
 
 
Propostas “insultuosas”
 
O STEC (Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo Caixa Geral de Depósitos) sublinha a “injustificável demora em atualizar a tabela salarial e o valor de aposentação, que já vai em 23 meses de vigência”, e dá nota de que a CGD tem recorrido “a subterfúgios inclassificáveis para ganhar tempo e apresentar “propostas” insultuosas de 0,2%”.
 
Em comunicado, o sindicato que maior representatividade tem junto dos trabalhadores da CGD acusa a comunicação social de só falar “em lucros e das centenas de milhões que o Estado vai receber”, mas que nada diz “sobre vários assuntos.
 
Entre esses assuntos, o STEC queixa-se de que os trabalhadores da CGD “são forçados a fazer milhares e milhares de horas extraordinárias , sem o pagamento que a lei impõe e o limite de trabalho extra que está determinado”.
 
O STEC fala ainda, entre outras matérias, da recente atribuição de um “bónus”. O sindicato liderado por Pedro Messias afirma que a atribuição do dito “bónus” “ignora um terço dos trabalhadores e a seguir discrimina, por critérios opacos, o valor a receber entre os felizes contemplados”.
 
A CGD afirma que “o prémio de desempenho relativo a 2020 e que foi pago este ano impactou a 82% dos colaboradores em Portugal”, contrariando a informação avançada pelo STEC, já que 18% não o receberam e não um terço como referiu o STEC.
 
Mais, adianta que este exclui “inclusive trabalhadores por terem cometido o “erro” de faltar para prestação de assistência imprescindível e inadiável à família e assistência a filhos menores”.
 
O comunicado do STEC faz alusão aos 429 milhões de euros de lucros da CGD até setembro, mais 9,4% do que em igual período do ano anterior e ao anúncio de distribuição de um dividendo extra de 300 milhões de euros.
 
 
Recusa liminar
 
O Mais Sindicato e o SBC acompanham a rejeição do STEC e em comunicado afirmam ainda que “apesar de várias insistências do MAIS e do SBC, só depois de meses de espera e já quase no fim do ano se realizou, no dia 4 de novembro, a primeira reunião de negociação”.
 
Mais dizem que a CGD “manifestou disponibilidade para rever a sua posição inicial de 0,15% para 0,2% à semelhança do que havia sido apresentado pela restante banca em sede de revisão do ACT do setor bancário”. Porém “a resposta dos sindicatos foi a expectável: recusaram liminarmente esta proposta, tal como já tinham feito com a restante banca”.
 
Os sindicatos afetos à UGT afirmam que “no final da reunião, as partes concordaram em rever as suas posições e contribuir para que se obtenha um acordo com a maior brevidade possível”.
 
E acrescentam que “atendendo ao atraso no processo para 2021, os sindicatos transmitiram ainda ser sua intenção negociar já a revisão da tabela salarial e cláusulas de expressão pecuniária para 2022”.
 
E recordaram que a última negociação, que “permitiu a revisão salarial conjunta de 2019 e 2020”, se tratou de “um processo vantajoso para todas as partes e que, consideram, deveria ser repetido na atual revisão”.
 
 

Nota: A notícia foi corrigida às 19h e 55 e acrescenta informação da CGD relativa aos trabalhadores que receberam prémio em 2020, pagos em 2021.