stec_logo
Domingo, 5 de Dezembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

Depois da TAP, trabalhadores da banca, hospitais e media também querem nomear administradores
ECO SAPO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Leonor Mateus Ferreira
27 Maio 2021

 

 

TAP vai adotar modelo pouco comum e pedir aos trabalhadores que escolham um administrador não executivo. Caixa Geral de Depósitos e RTP estão entre os que querem seguir, mas CP não vê necessidade.

 
Os trabalhadores são uma parte determinante do sucesso de uma empresa e a melhor forma de acompanharem os sucessos e as dificuldades dentro da empresa é poderem estar representados no conselho de administração”. Quem o diz é o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, para explicar a decisão de a TAP passar a contar com um administrador não executivo nomeado pelos trabalhadores.
 
A iniciativa é pouco comum em Portugal, mas prática em países como a Alemanha e já estava prevista no programa de Governo de António Costa para o atual mandato. O documento apontava para o estabelecimento de mecanismos de representação das comissões de trabalhadores (CT) nas administrações das empresas cotadas em bolsa e das maiores empresas, em especial no que toca às questões salariais e da distribuição de outros dividendos.
 
“Em Portugal não há essa tradição, mas queremos fazê-lo na TAP“, explicou Pedro Nuno Santos na semana passada. A estreia será feita a partir do próximo mandato do conselho de administração da companhia aérea e os funcionários de outras empresas públicas — incluindo a Caixa Geral de Depósitos, a RTP ou os hospitais — que veem com bons olhos essa possibilidade. Mas nem todos concordam: na CP, a comissão de trabalhadores considera que a aplicação da lei atual seria suficiente para que os trabalhadores tivessem participação na gestão.
 
“Não vejo necessidade de elegermos um administrador, via era necessidade de implementação da lei. Não é por falta de enquadramento legislativo ou de nós fazermos o nosso trabalho, que as coisas não correm melhor. As CT já têm o papel de participação na gestão. Se a lei for cumprida, os trabalhadores já têm participação na gestão.”
Catarina Cardoso
Coordenadora da Comissão de Trabalhadores da CP
 

“A lei que enquadra as CT é uma figura criada em Portugal na sequência do 25 de abril e tinha exatamente como objetivo permitir a participação dos trabalhadores na gestão das empresas”, lembra Catarina Cardoso, coordenadora da CT da CP. “Houve algumas alterações à lei e tem sido mais limitada”, lamenta, acusando a “esmagadora maioria das empresas” de não cumprir os deveres de informação, nomeadamente a comunicação de todos os atos de gestão antecipadamente.

 

Contas, planos de investimentos, planos de reestruturação ou de segurança chegam já tarde e com prazos curtos para os funcionários se pronunciarem. E mesmo quando há pareceres, correm o risco de não ser ouvidos. Foi o caso da separação da empresa de manutenção de material EMEF com a transportadora ferroviária nos anos 1990, que foi recentemente revertida. “As CT estiveram contra esta decisão desde o primeiro dia e manifestaram-se de forma fundamentada contra esta opção. Agora, deram-nos razão”, conta a representante.

 
 
Atrasos comprometem escrutínio

“Não vejo necessidade de elegermos um administrador, via era necessidade de implementação da lei. Não é por falta de enquadramento legislativo ou de nós fazermos o nosso trabalho, que as coisas não correm melhor. As CT já têm o papel de participação na gestão. Se a lei for cumprida, os trabalhadores já têm participação na gestão“, acrescenta Catarina Cardoso.

 

Os atrasos não são um exclusivo da CP. A CT da Caixa Geral de Depósitos partilha o sentimento: os pedidos de pareceres não cumprem prazos e os representantes dos trabalhadores têm de dar resposta “muito em cima da hora”, como explica a coordenadora Isabel Rodrigues. “Muitas vezes já não são pareceres prévios, são já depois das decisões estarem tomadas, o que faz com que na prática já não mude nada”.

 

Mas, no caso do banco, a posição não é a mesma. “Parece-nos que seria interessante ter alguém que representasse os trabalhadores no conselho de administração. Alguém que percebesse como é a Caixa e quais são os problemas dos trabalhadores. É pública, mas tem concorrência com outros bancos comerciais. Tem uma cultura que é diferente. Nós costumamos dizer que vestimos a camisola e isso está a perder-se com esta nova administração. Poderia ajudar em muito”, considera a representação dos trabalhadores da CGD.

 
“Parece-nos que seria interessante ter alguém que representasse os trabalhadores no conselho de administração. Alguém que percebesse como é a Caixa e quais são os problemas dos trabalhadores. É pública, mas tem concorrência com outros bancos comerciais. Tem uma cultura que é diferente. Nós costumamos dizer que vestimos a camisola e isso está a perder-se com esta nova administração.”
Isabel Rodrigues
Coordenadora da Comissão de Trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos

 

A possibilidade nunca foi, no entanto, abordada. Das empresas contactadas pelo ECO, só mesmo a RTP está já a agir nesse sentido. Como o Expresso avançou, a CT da estação de rádio e de televisão pública e os sindicatos que representam as várias categorias profissionais vão avançar com uma ação judicial com o objetivo de que o Governo seja obrigado a incluir um representante dos trabalhadores no conselho de administração.

 

A ação judicial está a ser movida pela Comissão de Trabalhadores, Federação dos Engenheiros, o Sindicato das Comunicações de Portugal, o Sindicato Independente dos Trabalhadores da Informação e Comunicações, o Sindicato dos Jornalistas, o Sindicato dos Meios Audiovisuais e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisuais.

 
 
Assento significa acesso

“O Sindicato dos Jornalistas é favorável ao princípio de que haja um representante eleito pelos trabalhadores que se senta com os administradores”, explica a presidente da entidade, Sofia Branco, referindo-se não só à RTP como à Lusa (que não oficializou qualquer pedido). “Uma CT reúne com administração, mas não se senta no CA. Uma reunião do CA agrega o presidente e os acionistas privados e os trabalhadores nunca têm acesso. Ter assento significava ter acesso. Do ponto de vista formal, é completamente diferente“, considera.

 

A representante dos jornalistas defende que são duas empresas do setor empresarial do Estado que devem ser transparentes e exemplifica com o caso da agência noticiosa. Houve duas assembleias gerais adiadas já depois de se saber que a liderança ia mudar, sem que fosse dada qualquer explicação. “Este tipo de alteração levaria a uma maior transparência, maior participação e maior democracia na gestão”, aponta, sublinhando que há margem para uma reivindicação jurídica.

 
“Os médicos chegaram a poder escolher o diretor clínico, durante cerca de dois anos. Faz parte dos nossos cadernos de encargos e chegou a ser defendido pelo PS. [O ex-ministro] Adalberto Campos Fernandes também era defensor deste processo, mas a ministra Marta Temido não fala connosco nem sobre a pandemia nem sobre outros temas.”
Jorge Roque da Cunha
Secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos

 

Se a estação de rádio e de televisão pública é a empresa pública mais próxima de avançar com uma proposta semelhante, no caso dos hospitais a participação na gestão não seria algo novo. “Os médicos chegaram a poder escolher o diretor clínico, durante cerca de dois anos“, explica Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, sobre o procedimento aprovado por Maria Belém Roseira e retirado por António Correia de Campos (ambos ex-ministros da Saúde socialistas).

 

Durante esse curto período de tempo, o procedimento era feito por candidatura, eram indicados três nomes sujeitos a votação e homologados depois pelo conselho de administração. “A vantagem é que a nomeação não seja política, mas escolhida entre os pares como fazem os juízes, por exemplo”, considera. Apesar de ser um cargo essencialmente técnico, o diretor clínico tem assento no conselho de administração.

 

O regresso da escolha do diretor clínico pelos pares é uma bandeira do sindicato independente dos médicos. “Faz parte dos nossos cadernos de encargos e chegou a ser defendido pelo PS. [O ex-ministro] Adalberto Campos Fernandes também era defensor deste processo e, mas a ministra Marta Temido não fala connosco nem sobre a pandemia nem sobre outros temas”, critica.