stec_logo
Segunda-feira, 29 de Novembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

Fundos de Pensões: ativos geridos voltam a superar 22 mil milhões de euros
ECO SAPO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

ECO Seguros

18 Novembro 2020

 

Os valores geridos em Fundos de pensões continuam a subir e voltaram a atingir os valores de 2007, segundo dados do 3º trimestre. A Ageas Pensões lidera o ranking das 18 entidades gestoras.

 

As contribuições dos associados e participantes para o total dos fundos de pensões apresentaram um acréscimo de 16,5%, face ao mesmo período ano anterior, acercando-se de 849 milhões de euros. Os benefícios pagos registaram um crescimento de 3,1% face ao terceiro trimestre do ano anterior, ascendendo a 580,8 milhões de euros no final de setembro, indica o relatório trimestral da ASF sobre a atividade dos Fundos de Pensões (REAFP 3T2020).

 

No final do terceiro trimestre de 2020, o número de fundos de pensões sob gestão passou de 232 para 233, na sequência da extinção de dois fundos de pensões fechados e da constituição de três fundos de pensões PPR. No âmbito das adesões coletivas, “foram extintas cinco adesões, uma decorrente transferência para a Caixa Geral de Aposentações, outra por liquidação total e as restantes com transferência para outras adesões já existentes. Durante este período foram constituídas 78 novas adesões, repartidas por 28 fundos de pensões abertos”, detalha o relatório.

 

Os montantes geridos pelos fundos de pensões registaram um acréscimo de 0,8% em relação ao final de 2019, totalizando um valor acima de 22 mil milhões de euros. O incremento reflete aumento de 8,5% nos fundos de pensões abertos. A repartição do montante total dos fundos de pensões por tipo de fundo não tem apresentado variações ao longo dos trimestres, explica a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

 

11_18_ecosapo_1s

 

Dos 22.000.073.008 euros de ativos investidos e geridos por 18 entidades gestoras, em 30 de setembro último, cerca de 83% estão à responsabilidade de Sociedades Gestoras de Fundos de Pensões (SGFP) e o restante a cargo de seguradoras do ramo Vida. O ranking das entidades e as quotas de mercado na mesma data são as seguintes:

 

11_18_ecosapo_2s

 

O nível de concentração entre as entidades gestoras é evidente. As 3 maiores (Ageas Pensões, CGD e BPI Vida) gerem 60% dos ativos, as 5 maiores 80% e a 10 maiores cerca de 98%.

 

 

Rentabilidade baixou para -0,45%

 

Tendo em consideração as contribuições entregues aos fundos e as respetivas pensões pagas, a rentabilidade dos fundos de pensões (diferença entre contribuições e saídas de benefícios), face ao final do ano de 2019 foi de -0,45%. Em setembro de 2019, a rentabilidade situava-se em 6,9% (face ao final de 2018). A rendibilidade é calculada de acordo com a seguinte fórmula: ((Valor do fundo no fim do período – (Valor do fundo no início do período + Contribuições do período – Pensões pagas))/Valor do fundo no início do período.

 

A estrutura da composição das carteiras foi semelhante à observada no final do ano de 2019. Destacam-se, no entanto, a diminuição do peso de dívida pública e da exposição a ações e um aumento do peso das obrigações privadas.

 

Em setembro de 2020, de acordo com a estatística trimestral da Supervisão, as carteiras de investimento dos fundos de pensões eram constituídas maioritariamente por títulos de dívida (50%), seguindo-se os fundos de investimento (34%). Imóveis (8%), depósitos bancários (5%) e ações (4%) continuam a ser as categorias com menor peso.

 

Segundo a ASF, entre participantes e beneficiários, os fundos de pensões em Portugal envolviam mais de 500 mil pessoas no final de 2019.