stec_logo
Domingo, 5 de Dezembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

Governo relança processo de venda da Caixa Brasil
ECO SAPO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Alberto Teixeira
6 Maio 2021

 
 
O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros o relançamento do processo de venda do banco brasileiro da Caixa Geral de Depósitos.
 
Um ano depois de falhado o primeiro concurso de venda, Governo aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, o relançamento do processo de alienação do banco brasileiro da Caixa Geral de Depósitos (CGD).
 
“Foi aprovada a resolução que determina o relançamento do processo de alienação das ações representativas da totalidade do capital social da sociedade Banco Caixa Geral – Brasil”, adianta o comunicado do conselho de ministros desta quinta-feira.
 
“Determina-se o relançamento do processo de alienação da totalidade ou parte das ações representativas da totalidade do capital social da sociedade de direito brasileiro Banco Caixa Geral – Brasil, detidas direta e indiretamente pela CGD, da totalidade ou parte do capital social das sociedades detidas, direta ou indiretamente, por aquela, bem como da totalidade ou parte dos respetivos ativos”, acrescenta o Executivo no comunicado.
 
O processo de venda da operação no Brasil estava previsto no plano de reestruturação da CGD acordada entre Portugal e Comissão Europeia, o qual já terminou no final do ano passado. Ainda assim, a Caixa mantém a intenção de alienar o banco brasileiro.
 
Há um ano, o Governo rejeitou as propostas apresentadas para a compra do banco brasileiro porque não estava “garantida, à luz do interesse público, a concretização dos objetivos subjacentes ao processo de alienação”. O Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia eram os três candidatos à compra do Banco Caixa Geral Brasil, mas as propostas não agradaram, com o Governo a seguir a posição do banco público liderado por Paulo Macedo.
 
Desde então ficou estabelecido o relançamento do processo quando estivessem “reunidas as condições de mercado, tendo em conta o atual contexto epidemiológico, em termos e condições a definir”.
 
 
(Notícia atualizada às 18h04)