stec_logo
Domingo, 5 de Dezembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

Há falta de mão de obra porque trabalhadores exigem “melhores condições”
ECO SAPO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Rita Neto
4 Novembro 2021

 
 
Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, explica falta de mão de obra no mercado com o facto de os trabalhadores estarem a exigir “melhores condições”.
 
Não é novidade que o turismo atravessa um problema de falta de mão-de-obra. A pandemia fez surgir este desafio no setor, levando os trabalhadores deste setor a exigirem “melhores condições”, reconhece Rita Marques, secretária de Estado do Turismo.
 
Melhores salários, melhores sítios para trabalhar, mais qualidade de vida e mais segurança são algumas das reivindicações dos profissionais da área. E agora que o mundo está a voltar à normalidade, é uma “boa oportunidade” para tomar “decisões inteligentes”, disse Rita Marques na Web Summit.
 
“O mundo mudou. Antes da pandemia queríamos trabalhar arduamente. Agora, queremos trabalhar melhor“, defendeu a governante, durante uma conferência sobre trabalho remoto. “Esta é uma boa oportunidade para tomar decisões inteligentes”, reiterou.
 
Assumindo-se “muito otimista quanto ao futuro”, a secretária de Estado não poupou nos elogios a Portugal, sublinhando o facto de ser um “ótimo país para visitar, mas também para viver e investir”. “A pandemia trouxe oportunidade de mostrar que Portugal é um bom sítio para estar”, disse.
 
Com base nisso, o país tem sido falado em todo o mundo pela quantidade de nómadas digitais que atrai, numa altura em que o trabalho remoto ganhou uma expressão sem precedentes devido às restrições da pandemia. “Portugal tem sido uma boa segunda casa para muitos estrangeiros”, disse a governante, notando que “há uma grande comunidade que está a crescer”.
 
O Governo esteve a estudar a criação de um enquadramento fiscal especial para atrair mais nómadas digitais. Contudo, essa medida, que estava prevista no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) e no Livro Verde, deverá cair.
 
Há ainda um caminho a percorrer, mas a secretária de Estado acredita que Portugal tem feito um bom percurso nesse campo, de modo a ganhar vantagem face a outros países: “Estamos neste processo de crescer. Claro que há um limite, nós sabemos, mas é bom o mundo ter esta concorrência”, disse a governante, sublinhando que “o mundo agora é sem fronteiras”.
 

Apesar disso, persistem outros problemas, sobretudo no setor do turismo. “Um dos desafios que enfrentamos é a falta de mão-de-obra. É muito difícil para qualquer setor recrutar”, afirmou Rita Marques, notando que, depois da pandemia, as pessoas “pedem melhores condições”, tais como “melhores sítios para trabalhar, qualidade de vida e segurança”.