stec_logo
Domingo, 5 de Dezembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

PAN alinha com esquerda e quer patrões a pagar 11 euros por dia em ajudas de custo em teletrabalho
ECO SAPO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Isabel Patrício
26 Abril 2021

 
 
Depois do BE, PCP e PS, foi a vez do PAN apresentar as suas propostas para mudar o que diz o Código do Trabalho sobre o teletrabalho. Partido alinha em algumas medidas defendidas pela esquerda.
 
O PAN está alinhado com o Bloco de Esquerda e com o PCP em alguns pontos, no que diz respeito às alterações pretendidas ao que a legislação prevê hoje sobre o teletrabalho. De acordo com o Projeto de Lei apresentado, esta segunda-feira no Parlamento, a bancada liderada por Inês Sousa Real quer, à semelhança dos bloquistas, estender a mais pais a possibilidade de irem para teletrabalho, sem que o empregador se possa opor, bem como fixar um abono mínimo de 10,97 euros diários para cobrir o acréscimo nas despesas decorrente da modalidade remota, tal como defendem os comunistas. O PAN quer também criar uma modalidade híbrida entre trabalho presencial e remoto, a que chama de trabalho flexível.
 
Atualmente, o Código do Trabalho dita que o teletrabalho pode ser adotado sem o “sim” da empresa nas seguintes circunstâncias: caso o trabalhador que seja vítima de violência doméstica apresente queixa-crime e saia da casa da morada de família ou caso o trabalhador tenha filhos com idades até aos três anos, sempre que a atividade desempenhada seja compatível e a entidade patronal disponha de recursos e meios para o efeito.
 
O PAN quer, contudo, ver alargado o universo de trabalhadores que têm direito a essa opção. Na proposta entregue, esta segunda-feira, na Assembleia da República, o grupo parlamentar determina que têm direito a exercer a sua atividade em teletrabalho, quando as funções sejam compatíveis e sempre que o empregador disponha de recursos, não só as vítimas de violência doméstica, mas também:
 
  • Os trabalhadores com filhos ou dependentes menores de 12 anos — em linha com a proposta feita pelo Bloco de Esquerda –, menores de idade com doença oncológica ou, independentemente da idade, com deficiência ou doença crónica;
  • Os trabalhadores reconhecidos como cuidadores informais não principais;
  • Os trabalhadores com doença crónica ou com grau de incapacidade igual ou superior a 60%;
  • Os trabalhadores-estudantes.
Nestes casos, sugere o PAN, o empregador não deve poder recusar o pedido de teletrabalho e, se o fizer com “fundamento na incompatibilidade do exercício de funções com a atividade desempenhada ou na falta de recursos e meios, deverá ter de apresentar por escrito uma justificação fundamentada“. O Bloco de Esquerda também prevê a exigência dessa fundamentação, mas vai mais longe e coloca na mão da entidade competente na área da igualdade no trabalho e no emprego a decisão final.
 
Por outro lado, o PAN defende que o contrato de teletrabalho deve fixar, além do que já está previsto no Código do Trabalho:
 
  • A indicação do instrumento de regulamentação coletiva de trabalho aplicável — o que também é defendido no PCP, na proposta que apresentou sobre o teletrabalho;
  • A indicação da atividade a prestar pelo trabalhador, com menção expressa do regime de teletrabalho, e correspondente retribuição, incluindo subsídio de refeição, outros subsídios ou abonos aplicáveis;
  • O valor do abono de ajudas de custo a pagar mensalmente pelo empregador por conta do acréscimo de despesas realizadas com os consumos de água, eletricidade, incluindo climatização, internet e telefone;
  • A indicação do período normal de trabalho, o enquadramento das razões de força maior que possam justificar a prestação de trabalho fora do período normal de trabalho, bem como a identificação do correspondente direito do trabalhador a descanso compensatório remunerado e a uma compensação remuneratória;
  • A identificação dos instrumentos de trabalho e, sempre que aplicável, o modo de reembolso do trabalhador com as despesas com a respetiva aquisição, bem como a identificação do responsável pela instalação e manutenção dos instrumentos de trabalho e pelo pagamento das inerentes despesas de consumo e de utilização;
  • A indicação da periodicidade das deslocações presenciais do trabalhador às instalações da empresa que ocorrerá, no mínimo, mensalmente — o que também é defendido pelo Bloco de Esquerda, nos mesmos termos.
Outra das mudanças propostas pelo PAN é que, em caso de denúncia do contrato de teletrabalho, tal seja feito “com a antecedência mínima de 15 dias em relação à data da respetiva produção de efeitos“. Atualmente, a lei não diz nada sobre que prazo deve existir entre a denúncia e a cessação efetiva do teletrabalho.
 
Já no que diz respeito aos instrumentos de trabalho (não só ligados às tecnologias de informação e comunicação, mas também mobiliário “eventualmente necessário”), o PAN quer deixar claro que deve ser o empregador a garanti-los, quer a sua instalação, quer a manutenção e pagamento das inerentes despesas.
 
Esse pagamento deve ser feito, entende a bancada de Inês Sousa Real, por via de um abono de ajudas de custo, que deve cobrir o “acréscimo de despesas que o trabalhador tenha pela execução do trabalho em regime de teletrabalho ou de trabalho flexível, nomeadamente, com os consumos de água, eletricidade, incluindo climatização, internet e telefone”. Tal como defende o PCP, o PAN quer que esse abono seja, no mínimo, de 11,97 euros, por dia, ou seja, 2,5% do Indexante dos Apoios Sociais.
 
Quanto à privacidade dos teletrabalhos, o PAN junta-se ao PS, BE e PCP na defesa de que “a entidade empregadora não pode utilizar os instrumentos de trabalho respeitantes a tecnologias de informação e de comunicação para vigilância e controlo do trabalho e do espaço em que o trabalhador se encontra“.
 
Outra semelhança entre o projeto do PAN e aqueles apresentados por esses partidos é o ênfase na igualdade entre trabalhadores presenciais e teletrabalhadores, não só em termos de salários, mas também de condições de trabalho, formação e segurança, e o destaque dado à necessidade de garantir também aos trabalhadores remotos os mesmos diretos sindicais.
 
Sobre a saúde, o PAN quer os empregadores a promoverem “semestralmente exames de vigilância da saúde e bem-estar psicológico aos trabalhadores” e a proporcionarem-lhes “serviços de psicologia sempre que se afigure necessário”. Também o PCP e o PS têm propostas que envolvem exames de saúde, mas sugerem periodicidades diferentes. Ainda nesse artigo, o grupo parlamentar defende que as empresas adotar “medidas tendentes a evitar o isolamento dos trabalhadores”.
 
Por outro lado, o PAN quer aditar um novo artigo ao Código do Trabalho, criando o “regime de trabalho flexível”. Podem exercê-lo os trabalhadores com funções compatíveis, mediante acordo com a entidade empregadora, desde que esta disponha de recursos e meios para o efeito.
 
Explica a bancada: “Propõe-se a criação de uma nova modalidade de trabalho à distância, designada como regime de trabalho flexível, uma modalidade menos rígida de prestação de trabalho à distância e que se concretiza mediante um simples acordo das partes (sem os formalismos contratuais da modalidade de teletrabalho). Esta modalidade assume uma lógica híbrida que combina trabalho presencial e trabalho à distância no quadro da relação de trabalho“.
 
É importante notar ainda que o PAN propõe ainda uma clarificação do direito à reparação em caso de acidentes de trabalho no domicílio em contexto de trabalho à distância e defende que todas estas alterações deverão ser aplicadas também aos funcionários públicos, propondo, em paralelo, mudar a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas.
 
A par deste projeto de lei, o PAN entregou um projeto de resolução que visa recomendar ao Governo que “negoceie, no âmbito da Comissão Permanente de Concertação Social, a criação de incentivos para que as empresas adotem mecanismos de trabalho à distância“.
 
As propostas sobre o teletrabalho deverão ser debatidas no Parlamento a 5 de maio, não sendo certo ainda se haverá uma maioria que viabilize qualquer uma das medidas já defendidas.