stec_logo
Terça-feira, 30 de Novembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

03_26_sapo

Fotografia: Adriano Miranda

Parlamento recusa revogação dos cortes nas indemnizações por despedimento
PÚBLICO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Lusa

25 de Março de 2021, 23:23
 
 

Propostas do PCP, Bloco e PEV pretendiam reverter alterações ao código laboral aprovadas em 2012 pela direita, durante a vigência da troika. Bloquistas pediram a baixa sem votação da sua proposta para que o recebimento da indemnização pelo trabalhador não represente a aceitação tácita do despedimento, mas é uma medida que também tem chumbo certo dentro de meses.

 

Os projectos de lei do BE, PCP e PEV que propunham a revogação dos cortes dos valores das compensações por despedimento introduzidos na lei laboral durante o período da troika, em 2012, forem chumbados nesta quinta-feira ao início da noite no Parlamento.

 
As iniciativas legislativas dos três partidos pretendiam repor os montantes e regras de cálculo nas compensações por cessação e despedimento que estavam previstos na lei laboral em 2009 e que garantiam um mês de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade, sem que houvesse limite máximo de anos contabilizados. Os projectos foram chumbados com os votos contra do PS, PSD, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal.
 
“Hoje quem for despedido no âmbito de um despedimento colectivo tem direito a 12 dias de indemnização por cada ano de trabalho” e “quem for despedido por caducidade do contrato tem direito a 18 dias de indemnização por cada ano de trabalho”, disse a deputada do PCP, Diana Ferreira, partido que agendou o debate. Além disso, continuou a deputada, com as alterações à lei introduzidas em 2012, “quem for despedido depois de 15, 20, 30 anos numa empresa, só tem considerados 12 anos de trabalho para a indemnização, ignorando-se, para estes cálculos, o restante tempo de trabalho”.
 
O deputado do BE José Soeiro lamentou que “em plena crise pandémica”, com aumento do desemprego, as reduções nas indemnizações se mantenham, sublinhando que o Governo “tem-se mostrado irredutível na manutenção destes cortes.
 
O Parlamento chumbou também uma proposta do PAN que visava revogar a presunção de aceitação de despedimento colectivo em virtude da aceitação da compensação paga pelo empregador. A deputada do PAN Inês Sousa Real considerou que esta norma é “uma das maiores injustiças” que consta da legislação laboral, pois impossibilita o trabalhador de impugnar o despedimento colectivo.
 

Já o projecto de lei do BE com o mesmo objectivo do PAN de revogar a norma do Código do Trabalho que prevê a presunção legal de aceitação do despedimento por causas objectivas quando o empregador disponibiliza a compensação ao trabalhador, baixou à comissão da especialidade, sem ser votado no plenário, a pedido da bancada bloquista.