stec_logo
Domingo, 5 de Dezembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

03_15_publico

Fotografia: LUSA / Manuel de Almeida

Presidente da CGD alerta para “tsunami” de malparado com fim das moratórias
PÚBLICO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Lusa

15 de Março de 2021, 20:14
 
 

Paulo Macedo diz que sectores como o do turismo necessitam de um apoio adicional para conseguirem fazer face a encargos.
 

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, alertou esta segunda-feira para a possibilidade de um “tsunami” de crédito malparado com o fim das moratórias bancárias, caso não haja outros apoios aos sectores mais afectados pela crise.
 
O gestor, que falou no webinar Investimento, Digitalização e Financiamento Verde: O Caso Português”, organizado pelo Banco de Portugal (BdP) e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), alertou que, depois de anos a limpar os balanços, poderá haver “novamente um aumento dos NPL [non performing loans, crédito malparado]”.
 
“Em Portugal, com o fim das moratórias temos de nos assegurar que as empresas certas são apoiadas para não ter um ‘tsunami’ de NPL”, referiu.
 
Paulo Macedo referia-se a sectores como o turismo, que estão praticamente paralisados desde o início da pandemia e que diz necessitarem de um apoio adicional para conseguirem fazer face a estes encargos.
 
Ainda assim, o presidente da CGD destacou que as instituições bancárias desta vez “foram parte da solução, ao contrário do que aconteceu na crise anterior”, realçando que estavam preparados com capital e liquidez para fazer face à crise.
 
Uma das questões abordadas na conferência foi a facilidade de acesso ao financiamento, que muitas vezes atrasa o investimento em áreas em que a União Europeia (UE) quer apostar, como a digitalização e economia verde.
 
O governador do BdP, Mário Centeno, deu conta da evolução dos gastos em Investigação & Desenvolvimento (I&D) em Portugal têm vindo a crescer, ainda que tenham estagnado durante a crise anterior. Neste momento, no entanto, continuam abaixo da média da zona euro, de 2,2%, pesando 1,5% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2018.
 
O governador destacou ainda que o peso do investimento na digitalização no PIB em Portugal “tem crescido continuamente”, mas ainda está atrás da média europeia, devido a um “menor investimento em software de computadores e bases de dados”.
 
“O verdadeiro desafio é a necessidade de alocar os fundos correctamente, preservando a concorrência entre as empresas”, salientou, indicando que “as amplas prioridades estabelecidas a nível europeu incluem também o reforço dos gastos sociais como forma de mitigar a desigualdade”.
 
O BEI apresentou ainda os resultados das mais recentes edições do seu relatório anual sobre o investimento e do inquérito anual do banco sobre o investimento na Europa e em Portugal, tendo concluído que “quase metade (47%) das empresas em Portugal prevêem investir menos devido à covid-19”, lê-se numa nota publicada pelo BdP.
 
“Além disso, cerca de um terço abandonaram ou adiaram os planos de investimento devido à pandemia, menos do que a média da UE (35%), e quase um quarto (24%) das empresas esperam manter pelo menos alguns dos seus planos de investimento, mas com uma escala ou âmbito reduzidos, acima da média da UE (18%)”, segundo o mesmo comunicado.
 
Por outro lado, “cerca de metade de todas as empresas inovaram e desenvolveram ou introduziram novos produtos, processos ou serviços como parte das suas actividades de investimento, acima da média da UE (43%)” e 76% “afirmam que as alterações climáticas têm actualmente impacto nas suas actividades, muito acima da média da UE (58%)”, segundo o mesmo estudo.