stec_logo
Terça-feira, 30 de Novembro, 2021

NOtÍCIAS DE IMPRENSA

01_06_dnoticias

António Mexia, ex-presidente executivo da EDP, auferiu quase 2,17 milhões de euros de remuneração global em 2019

Fotografia: © Carlos Manuel Martins / Global Imagens

Presidentes de empresas ganham dez vezes mais do que os seus trabalhadores
DIÁRIO DE NOTÍCIAS
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Elisabete Tavares

06 Janeiro 2021 — 09:00

 

Homens continuam em maioria na administração das empresas e ganham em média mais 20% do que as mulheres.

 

São, na esmagadora maioria, homens e ganham, em média, dez vezes mais do que os colaboradores das empresas. É este o retrato do típico presidente executivo (CEO) em Portugal, segundo um estudo da consultora Mercer, relativo ao ano de 2020. O mesmo estudo também demonstra que 85% dos que ocupam cargos de topo na administração e órgãos de fiscalização das empresas são homens e ganham, em média, mais 20% do que as mulheres nos mesmos cargos.

 

O estudo “Remuneração de Executivos de Topo” contou com a participação de mais de meia centena de organizações em Portugal. “Relativamente ao gap salarial de remuneração fixa entre CEO e a média de colaboradores, verifica-se um rácio médio de 10 x”, destaca o documento.

 

A análise mostra ainda que “relativamente às diferentes componentes de remuneração, os administradores executivos representam em média uma remuneração variável anual com um peso de 45% face à remuneração fixa”. No caso dos trabalhadores, “a componente variável não representa, em média, mais do que 13% da respetiva remuneração fixa”.

 

Para Tiago Borges, consultor na Mercer, “esta informação ganha especial relevância após a aprovação da Lei n.º 50/2020, que define que deve ser apresentada pelas empresas cotadas a informação da remuneração média de trabalhadores a tempo inteiro (excluindo os membros dos órgãos de administração e de fiscalização) de modo a permitir a sua comparação”.

 

O estudo da Mercer contou, no total, com a participação de 55 organizações – incluindo oito cotadas do PSI20 -, duplicando o número de participantes da edição anterior, realizada em 2017, que contou com 28 participantes.

 

Segundo os relatórios e contas das cotadas do PSI20, de 2019, somando a remuneração fixa e variável, os CEO passaram a ganhar quase 30 vezes mais do que a média do salário dos colaboradores. No ano anterior, ganhavam 25 vezes mais. Em média, cada CEO ganhou 916 mil euros em 2019, um aumento de 20% face ao exercício anterior. Quanto ao salário médio dos trabalhadores, ficou-se pelos 29 mil euros, subindo 1,5% em termos homólogos.

 

O CEO da Jerónimo Martins é o que regista maior diferença salarial. Pedro Soares dos Santos ganhou 1,8 milhões de euros em 2019, o que corresponde a 167 vezes o salário médio de um trabalhador do grupo retalhista, que se fixou em 10,5 mil euros anuais.

 

Em média, das 18 empresas que compõem o índice PSI20, cinco pagam aos seus CEO uma remuneração superior a 50 vezes o salário médio dos seus colaboradores. São elas a Galp, EDP, Semapa, Sonae e CTT.

 

A lista dos CEO com os salários mais altos é liderada por António Mexia, ex-presidente executivo da EDP, que auferiu quase 2,17 milhões de euros de remuneração global em 2019. Seguem-se Soares dos Santos, com 1,76 milhões, Manso Neto, ex-líder da EDP Renováveis, com 1,48 milhões, João Castello Branco, da Semapa, com 1,42 milhões e Carlos Gomes da Silva, da Galp , com 1,39 milhões.

 

 

Diferença de género

 

O estudo também demonstra a existência de um grande fosso entre géneros, não só na ocupação de cargos de topo, como em termos de remuneração. “O género feminino continua sub-representado nos papéis de liderança, embora se tenha registado um ligeiro aumento face ao último estudo realizado em 2017”, destaca a Mercer. De facto, o estudo “aponta uma elevada predominância de elementos do sexo masculino – 85% – nos órgãos de administração e de fiscalização em Portugal”.

 

Segundo a consultora, “este elevado rácio assume maior importância quando, considerando a Lei 62/2017, segundo a qual existe uma obrigatoriedade de cumprir os requerimentos dos reguladores que definem a proporção das pessoas de cada sexo designadas em razão das suas competências, aptidões, experiência e qualificações para os órgãos de administração e de fiscalização do setor público empresarial e das empresas cotadas em bolsa”.

 

De acordo com o estudo da Mercer, “das empresas portuguesas cotadas participantes são identificados rácios entre 20% e 30%, sendo que em alguns casos não existe representação de ambos os sexos nos órgãos de administração”. Estes dados apontam que não está a ser cumprida a legislação nesta matéria que aponta que a proporção de pessoas de cada sexo designadas para cada órgão de administração e de fiscalização de cada empresa não pode ser inferior a 33,3 %. Esta regra aplica-se a partir de 1 de janeiro de 2018 para organizações do setor público empresarial e a partir de 1 de janeiro de 2020 para empresas cotadas em bolsa.

 

 

Novas métricas

 

Segundo a Mercer, uma das tendências mundiais é a crescente relevância da utilização de indicadores de performance ligados a fatores ambientais, sociais ou de governance (ESG), “que apesar de não ser prática comum no mercado nacional são uma realidade cada vez mais presente a nível europeu”. “A inclusão de indicadores de avaliação de performance ligados a fatores ESG têm ganho relevância por toda a Europa, em alguns casos como resposta à pressão cada vez maior de investidores e acionistas”, segundo o CEO da Mercer, Diogo Alarcão.

 

 

Elisabete Tavares é jornalista do Dinheiro Vivo