stec_logo
Segunda-feira, 29 de Novembro, 2021

INFORMAÇÃO STEC

INFORMAÇÃO
Manifestação de Bancários em 13 de julho 2021 na Assembleia da República
INFORMAÇÃO
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Intervenção de Pedro Messias em representação do STEC, na manifestação de Bancários em 13 de julho 2021 na Assembleia da República:

 
07_15_intervencao
 
“Companheiros e companheiras,
 
A nossa forte presença hoje aqui é uma grande prova de solidariedade que demonstramos perante este inadmissível ataque feito a todos os bancários.
 
Parece que se está a tornar moda, ou até “num novo normal”, que quando as empresas apresentam lucros, de seguida apresentem àqueles que mais contribuíram para o êxito da empresa, um prémio intitulado “despedimento coletivo”.
 
No caso da CGD, é preciso não esquecer que na aplicação do plano de recapitalização acordado com Bruxelas, de 2017 a 2020, saíram cerca de 2300 trabalhadores, entre reformas pré-reformas e RMA’s, e encerraram cerca de 180 agências.
 
No novo plano estratégico 2021/2025, cujo teor é absolutamente desconhecido quer dos trabalhadores quer das estruturas representativas, mas que estrategicamente já foram sendo “plantadas” algumas ideias que passam “por emagrecimento do quadro de pessoal”, que o mesmo é dizer, mais RMA, reformas e PPR e menos trabalhadores, e também menos agências, ou seja, menos coesão social e territorial, área que a CGD, como banco público que é deveria ter responsabilidades acrescidas.
 
Pela forma como foi conseguida a redução de pessoal permitiu até que a CGD tivesse sido distinguida por uma revista de Recursos Humanos, como aquela empresa que promove o envelhecimento ativo e a preparação para a reforma. Até poderia ser para rir, se não fosse verdade.
 
E sabem como? Com pressão, ameaça, chantagem e assédio. Trabalhadores com histórico de avaliação positivas, reconhecidos pelo seu empenho profissional, de um dia para o outro, sem que nada o indique, são confrontados com a retirada de “isenção de horário de trabalho” e de imediato convocados para uma ”entrevista” tendo em vista o seu “futuro profissional”.
 
Futuro esse que passa pelo convite a aceitarem o RMA que lhes é apresentado ali, sem mais. RMA generoso, ainda dizem. E mais, como aliciante dizem que “isto é um divórcio, e ele vai acontecer”. E de forma requintada acrescentam “que podem sempre completar o fim do mês vendendo uns bolinhos, ou fazendo uns biscates no café do bairro”.
 
Isto acontece na CGD, uma empresa de capital público que deveria ser um exemplo de rigor e ética profissional.
 
Mais recentemente, outro prémio, o de Personalidade do Ano, atribuído ao Presidente da Comissão Executiva, que na oportunidade disse que “São as pessoas certas com que trabalhamos todos os dias que dão a origem a estes prémios. A gratidão é para elas.”
 
Na verdade, e como o STEC já o denunciou publicamente, e hoje aqui reiteramos, são esta as pessoas que depois de uma vida de trabalho e dedicação à CGD, são confrontadas com propostas “irrecusáveis” de PPR, de RMA e ainda ameaçadas caso não aceitem! São estas pessoas para quem as práticas de Assédio Moral se tornaram um hábito.
 
O momento pandémico que atravessamos não pode servir para tudo. Não podemos permitir que a reboque da pandemia, se torne normal apresentar um “despedimento coletivo” como se este fosse a vacina. Estamos a falar de pessoas e não de coisas, e as pessoas não são descartáveis.
 
Aliás, será bom não esquecer que durante todo este momento pandémico, a banca, a atividade bancária, foi considerada como serviço essencial e nunca encerrou. O atendimento presencial nunca deixou de funcionar, com todos os riscos inerentes, pessoais e familiares. Todos os serviços bancários foram e continuam a ser garantidos.
 
Nesta altura, e como é público, os bancos estão a apresentar lucros. Não há, pois, uma qualquer necessidade económica que obrigue à apresentação de um qualquer despedimento coletivo. Não é de todo razoável. É despropositado!
 
Não nos iludamos. O propósito parece ser outro. A coberto da pandemia, a estratégia que parece estar a desenhar-se é sim um brutal ataque à contratação coletiva. E caso essa estratégia faça caminho, os trabalhadores bancários no seu todo parecem caminhar a passos largos para serem a próxima classe precária.
 

As Estruturas de Representação Coletiva dos Trabalhadores devem unir forças para travar estes atropelos.

 
 
O Governo, a Assembleia da República, têm de intervir, não podem assobiar para o lado.
 
Ou resistimos juntos ou separados perecemos.
 
Só unidos é que poderemos resistir a semelhante ofensiva.
 
Viva aos trabalhadores bancários
 

Viva a todos os trabalhadores”

 
 
07_15_intervencao_rua
 
07_15_intervencao_rua2